Treinamento de Operador de Caldeira

O treinamento para operador de caldeira tem como objetivo instruir e conscientizar os profissionais quanto a operação de caldeiras, é fundamental que o treinamento seja aplicado por profissionais devidamente capacitados para que a segurança e saúde do trabalhador seja garantida.

Destina-se a profissionais interessados em qualificar-se tecnicamente em aspectos ligados a operação, segurança em caldeiras.

Caldeira é um recipiente cuja função é, entre muitas, a produção de vapor através do aquecimento da água.

As caldeiras produzem vapor para alimentar máquinas térmicas, autoclaves para esterilização de materiais diversos, cozimento de alimentos e de outros produtos orgânicos, calefação ambiental e outras aplicações do calor utilizando-se o vapor.

O gerador de vapor ou caldeira é um componente integral de um motor de vapor onde é considerado com o motor primário. A caldeira inclui uma fornalha ou forno, de modo a queimar o combustível e produzir calor; o calor gerado é transferido para a água transformando-a em vapor, processo de ebulição. Isto produz vapor saturado a uma taxa que pode variar de acordo com a pressão da água fervente. Quanto mais elevada for a temperatura do forno, mais rápida será a produção de vapor. O vapor saturado produzido pode então ser utilizado para produzir energia através de uma turbina e alternador, ou então pode ser ainda sobreaquecido a uma temperatura mais elevada; este notadamente reduz o teor de água em suspensão fazendo um dado volume de vapor produzir mais trabalho e cria um gradiente de temperatura maior, o que ajuda a reduzir o potencial de formar condensação.

Todo o calor remanescente nos gases de combustão, pode então ser evacuado ou feito passar através de um economizador, cujo papel é para aquecer a água de alimentação, antes que ele atinja a caldeira.

Tipos de caldeiras

Caldeiras flamotubulares

A caldeira do tipo flamotubular pode gerar de 100 a 30 mil kg/h, com pressão de até 30 kgf/cm2. Nesse modelo de caldeira, os gases quentes provenientes de queima de combustível passam através de tubos imersos em água. Os tubos, por sua vez, aquecem a água, criando o vapor. Trata-se de um tipo de caldeira com construção mais simplificada em relação à distribuição de tubos, podendo classificá-los em verticais e horizontais.

Caldeiras horizontais

A caldeira do tipo horizontal pode ser classificada em diversas modalidades, como a caldeira cornuália e a lancashire, de grande volume de água, até caldeiras mais modernas, com unidades compactas. Esse tipo de caldeira apresenta tubulação interna, por onde os gases quentes são conduzidos, podendo ter de 1 a 4 tubos de fornalha. As caldeiras de 3 e de 4 tubos são muito utilizadas na marinha.

Caldeiras cornuália

A caldeira tipo cornuália, em princípio, é constituída de 2 cilindros horizontais, unidos por placas planas. Com um funcionamento bastante simples, a caldeira cornulária não apresenta alto rendimento, provocando limitação quanto à pressão, que não pode ir além de 10 kgf/cm2.

Caldeira lancashire

No tipo lancashire pode haver 2, 3 ou 4 tubulações internas, fazendo com que alcance uma superfície de aquecimento de 120 a 140 metros quadrados. A caldeira lancashire por atingir até 18 kg de vapor por metro quadrado de superfície de aquecimento. Nos últimos anos, esse modelo de caldeira vem sendo substituído por outros tipos, mais eficientes.

Caldeiras multitubulares de fornalha interna

Este modelo de caldeira possui vários tubos de fumaça, como o nome já diz, podendo ser de 3 tipos:

Tubos de fogo direto, com a passagem de fogo dentro do cano e a água por fora, fazendo com que os gases percorram o corpo da caldeira apenas uma vez;

Tubos de fogo de retorno, com os gases provenientes da combustão na fornalha circulando pelos tubos de retorno;

Tubos de fogo direitos e de retorno, com os gases quentes circulando pelos tubos diretos e voltando pelos de retorno.

Caldeiras multitubulares de fornalha externa

Nesse modelo de caldeira, a fornalha é constituída pela alvenaria abaixo do corpo cilíndrico. Os gases entram em contato com a base inferior do cilindro, retornando pelos tubos de fogo.

Caldeiras escocesas

A caldeira escocesa foi concebida para uso marítimo, por ser muito compacta, utilizando tubulação e tubos de menor diâmetro. Nela, os gases quentes, provindos da combustão na fornalha interna, podem circular em 2, 3 ou 4 passes. O modelo compacto favorece seu transporte e locomoção e sua operação é feita com óleo ou gás, com a circulação através de ventiladores.

Caldeiras locomotivas e locomóveis

São caldeiras locomotivas as que geram vapor para movimentar a própria máquina onde está instalada, tendo sido usadas para os comboios ferroviários. Praticamente estão fora de uso na atualidade.

Conteúdo Programático

1. Noções de física aplicada.
1.1 Pressão.
1.1.1 Pressão atmosférica
1.1.2 Pressão manométrica e pressão absoluta
1.1.3 Pressão interna em caldeiras
1.1.4 Unidades de pressão
1.2 Transferência de calor.
1.2.1 Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
1.2.2 Modos de transferência de calor
1.2.3 Calor específico e calor sensível
1.2.4 Transferência de calor a temperatura constante
1.3 Termodinâmica.
1.3.1 Conceitos
1.3.2 Vapor saturado e vapor superaquecido
1.4 Mecânica dos Fluidos. 1.4.1 Conceitos Fundamentais
1.4.2 Pressão em Escoamento
1.4.3 Escoamento de Gases
2. Noções de química aplicada.
2.1 Densidade 2.2 Solubilidade
2.3 Difusão de gases e vapores
2.4 Caracterização de Ácido e Base (Álcalis) ¬ Definição de pH 2.5 Fundamentos básicos sobre corrosão
3. Tópicos de inspeção e manutenção de equipamentos e registros.
4. Caldeiras ¬ considerações gerais.
4.1 Tipos de caldeiras e suas utilizações
4.1.1 Caldeiras flamotubulares
4.1.2 Caldeiras aquatubulares
4.1.3 Caldeiras elétricas
4.1.4 Caldeiras a combustíveis sólidos
4.1.5 Caldeiras a combustíveis líquidos
4.1.6 Caldeiras a gás
4.2 Acessórios de caldeiras
4.3 Instrumentos e dispositivos de controle de caldeiras
4.3.1 Dispositivo de alimentação
4.3.2 Visor de nível
4.3.3 Sistema de controle de nível
4.3.4 Indicadores de pressão
4.3.5 Dispositivos de segurança
4.3.6 Dispositivos auxiliares
4.3.7 Válvulas e tubulações
4.3.8 Tiragem de fumaça
4.3.9 Sistema Instrumentado de Segurança
5. Operação de caldeiras.
5.1 Partida e parada
5.2 Regulagem e controle
5.2.1 De temperatura
5.2.2 De pressão
5.2.3 De fornecimento de energia
5.2.4 Do nível de água
5.2.5 De poluentes
5.2.6 De combustão
5.3 Falhas de operação, causas e providências
5.4 Roteiro de vistoria diária
5.5 Operação de um sistema de várias caldeiras
5.6 Procedimentos em situações de emergência
6. Tratamento de água de caldeiras.
6.1 Impurezas da água e suas consequências
6.2 Tratamento de água de alimentação
6.3 Controle de água de caldeira
7. Prevenção contra explosões e outros riscos.
7.1 Riscos gerais de acidentes e riscos à saúde
7.2 Riscos de explosão
7.3 Estudos de caso
8. Legislação e normalização.
8.1 Norma Regulamentadora 13 ¬
8.2 Categoria de Caldeiras

Fale Conosco

Abrir chat
Precisando de ajuda ?